Originais & Originados – A verdade por trás do PA PANAMERICANO

Matt Damon e Jude Law cantam: "Tu Vuò Fa' L'Americano" de Renato Carossone bem antes do infame PA PANAMERICANO!

Matt Damon e Jude Law cantam: "Tu Vuò Fa' L'Americano" de Renato Carosone bem antes do infame PA PANAMERICANO!

Não é “PA PANAMERICANO”! É “Tu Vuò Fa’ L’Americano”! A música do italiano Renato Carosone (que já serviu para a trilha do filme O Talentoso Ripley, imagem acima e vídeo no final) acabou remixada em um house safado que todo mundo insiste em chamar de PA PANAMERICANO. Conheça a versão original, compare com o remix e assista à cena em que Matt Damon e Jude Law fazem troça do italiano que queria ser americano (é sobre isso que fala a letra original).

Arqueologia sonora – Fantômas

Fantômas: supergrupo experimental

Fantômas: supergrupo experimental

Cartaz de filme inspirado em um dos livros com o personagem Fantômas

Batizado em homenagem a um personagem da literatura policial francesa do início do século XX, o Fantômas é uma superbanda de rock/metal experimental capitaneada por Mike Patton (Faith No More; vocais e efeitos) e que inclui Buzz Osborne (Melvins; guitarra), Trevor Dunn (Mr. Bungle; baixo) e Dave Lombardo (Slayer; bateria) na formação. O grupo passou pelo Brasil em 2005, no festival Claro Q É Rock, substituindo de última hora o Suicidal Tendencies, que precisou desmarcar a apresentação por problemas de saúde do vocalista. As músicas do Fantômas são grandes viagens experimentais – muito pesadas, na maioria das vezes – com Mike Patton servindo como uma espécie de maestro, que utiliza sua voz (de notável alcance, como já é de conhecimento de todo mundo) muitas vezes mais como um instrumento como qualquer outro do que efetivamente “cantando” com uma letra definida. Destaque para o disco The Director’s Cut (2001) em que eles recriam a trilha sonora de vários filmes, como Twin Peaks e Cape Fear (Cabo do Medo, veja vídeo abaixo).

Arqueologia sonora – Sam Cooke

Sam Cooke

Sam Cooke: um dos fundadores do soul morreu precocemente, assassinado aos 33 anos

Sam Cooke (22 de janeiro de 1931 – 11 de dezembro de 1964) é considerado por muitos um dos fundadores do soul (estilo derivado do gospel e que ficou célebre nas vozes de Ray Charles, Marvin Gaye, Aretha Franklin, entre tantos outros) e uma das vozes mais singulares da história da música. Filho de um pastor, começou cantando músicas religiosas (como tantos outros artisitas de soul), mas emplacou diversos hits quando mudou para a música secular. Infelizmente, foi morto aos 33 anos com um tiro pela gerente de um hotel de Los Angeles, que alegou auto-defesa (o cantor a teria atacado). Até hoje as razões para sua morte são misteriosas, já que a versão da gerente tinha várias inconsistências. Um grande e lastimável perda. Resta o legado do King of Soul, como também era conhecido.

Vídeo da semana – Michael Collings, Fast Car (Tracy Chapman) no Britain’s Got Talent

Olha só o que a maré da web trouxe pra nós essa semana. O vídeo acima já tem mais de 2 milhões de visualizações (e foi postado no dia 16/04). Quem cantou a bola foi meu colega Nicolas Barcza.

A história é a seguinte: num esquema meio Susan Boyle, o garoto Michael Collings (19 anos) se apresenta na audição do Britain’s Got Talent (uma espécie de show de calouros, o mesmo que revelou a supracitada Susan Boyle). O rapaz tem tudo contra ele: é gordinho, se veste mal (pros padrões de “ídolos pop”) e trabalha com computadores. Ninguém sabe ainda, mas ele vai cantar (enquanto toca o seu violão) uma versão arrebatadora de “Fast Car” da Tracy Chapman. A reação da plateia e dos jurados é impagável. E a música, então, nem se fala. Veja o vídeo acima e depois o original, aqui abaixo! Go Michael!

Originais & Originados – Meat Puppets x Nirvana

Meat Puppets: do acústico do Nirvana para o mundo

Meat Puppets: do acústico do Nirvana para o mundo

Muita gente que cresceu nos anos 1990 conhece pelo menos três músicas do Meat Puppets. Convidados por Kurt Cobain, os irmãos Kirkwood (Curt e Cris) fizeram uma participação especial no fantasmagórico acústico do Nirvana, em 1993 (pouco antes da morte de Cobain). “Plateau”, “Oh, Me” e “Lake of Fire” entraram para a história pela segunda vez (sendo a primeira pelo lançamento de Meat Puppets II, 1984), pela voz desolada do líder da banda que colocou o grunge no mapa. Eu conheci o Meat Puppets ali, e agradeço ao Nirvana por isso, já que, anos depois da morte de Kurt Cobain, me apaixonei pelo som do trio de Phoenix, Arizona.

ORIGINAL – MEAT PUPPETS, PLATEAU (1984)

ORIGINADA – NIRVANA, PLATEAU (1993)

ORIGINAL – MEAT PUPPETS, OH, ME (1984)

ORIGINADA – NIRVANA, OH, ME (1993)

ORIGINAL – MEAT PUPPETS, LAKE OF FIRE (1984)

ORIGINADA – NIRVANA, LAKE OF FIRE (1993)

Originais & Originados – Crowded House x Sixpence None the Richer x Susan Boyle

Crowded House: "Hey now, hey now!"

Crowded House: "Hey now, hey now!"

Lembrei da existência dessa música assistindo a uma cena de um dos episódios da minissérie A Dança da Morte (The Stand, no original), baseada em um livro do Stephen King – recomendo que assistam também, by the way. Só pensei em falar dela bem depois, e foi um parto pra lembrar o nome. Consegui: “Don’t Dream It’s Over”. Foi o único maior sucesso da banda neozelandesa Crowded House, regravado pela igualmente efêmera Sixpence None the Richer (que nomezinho, hein?) e posteriormente pela YouTube-wonder Susan Boyle. Linda canção, anyway.

ORIGINAL – CROWDED HOUSE (1986)

ORIGINADA – SIXPENCE NONE THE RICHER (2002)

ORIGINADA – SUSAN BOYLE (2010)