Da estante – Here, My Dear (1978), Marvin Gaye

Here, My Dear (1978) - Marvin Gaye

Here, My Dear (1978) - Marvin Gaye: no divórcio do soulman quem mais lucrou foram os fãs

Pouca gente conhece a história desse álbum, mais uma pérola da multiplatinada discografia  do soulman troublemaker Marvin Gaye. Em 1978, em meio ao processo de divórcio de sua primeira mulher (Anna Gordy, filha do fundador da Motown – e patrão de Marvin – Berry Gordy), o cantor arranjou uma saída inusitada pra arcar com os gastos da separação: resolveu gravar um disco cujos dividendos iriam diretamente para sua futura ex-cônjuge (daí o nome “Here, My Dear”, “Aqui, querida” em português).
Diz a lenda que, a princípio, Marvin quis gravar qualquer merda, justamente pra encalhar o disco e pode dar o troco em Anna financeiramente. Mas sua integridade artística falou mais alto e ele decidiu dar tudo de si e ainda usar as músicas para contar a história de sua separação. O resultado foi um dos melhores (e mais subestimados) álbuns de sua carreira – uma obra conceitual sobre o começo, meio e fim de um relacionamento, com canções escancaradamente autobiográficas inicialmente românticas (o começo do relacionamento, no começo do disco) depois raivosas e pessimistas (o meio, o processo conturbado de divórcio, com acusações de traição e brigas pela guarda do filho) e, finalmente, otimistas (0 final, a descoberta de um novo amor – o relacionamento com Janis Hunter, anos mais nova que Gaye, e mulher que inspirou “Let’s Get it On”, antes mesmo do fim do casamento com Anna).
O miolo do encarte (figura abaixo) entrega o clima e a raiva de Marvin à época: um tabuleiro estilo Monopoly ou Banco Imobiliário ilustra o divórcio. De um lado, uma mão  masculina entrega um “disco” e mantém instrumentos musicais e aparelhos de gravação (Gaye) e do outro, uma mão feminina fica com dinheiro, casa e carro (Anna).
Encarte de Here, My Dear (1978): Toma que o disco é seu, "querida".

Encarte de Here, My Dear (1978): Toma que o disco é seu, "querida".

Já pensou se os artistas de hoje fossem assim tão explícitos? Talvez a indústria da música ainda fosse minimamente interessante…


This entry was posted in Da estante and tagged , by O musicólogo. Bookmark the permalink.

About O musicólogo

Musicologia é o estudo científico ou mesmo a ciência da música. Considera-se musicologia a atividade do musicólogo enquanto ofício do pesquisador em música, diferenciando-se das outras duas grandes áreas da música: a invenção (ofício do compositor) e a interpretação/performance (ofício do instrumentista, cantor ou regente).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s