Vídeo da semana – Tamara Bryak e Tatiana Panaioti, “Roda Viva” (2013) – Chico Buarque ganhou sotaque russo

A bela cena final do vídeo em que a garota russa Tamara Bryak (Тома Бусинка) homenageia "Roda Viva", de Chico Buarque: suingue eslavo e um genuíno tributo à música brasileira

A bela cena final do vídeo em que as garota russas Tatiana Panaioti e Tamara Bryak homenageiam “Roda Viva”, de Chico Buarque: suingue eslavo e um genuíno tributo à música brasileira

Depois de saber dessa – e isso foi hoje/ontem -, tive que abrir uma leve exceção e publicar mais um Vídeo da semana. Acontece que uma garota russa que recentemente passou cerca de dois meses em São Paulo – no esquema do couchsurfing, mais especificamente na casa de uns amigos de uns amigos meus – resolveu, tendo conhecido um pouco melhor a produção musical brasileira dos anos 1960/1970 -, registrar, já de volta a sua terra natal, uma versão bastante particular e eslava de “Roda Viva“, de Chico Buarque (1967) (relembre aqui a original).

Apesar da relativamente previsível rigidez rítmica, a releitura conduzida por Tamara Bryak (Тома Бусинка; a tal garota russa – primeira da esquerda para a direita na primeira tomada do vídeo), duas amigas (que provavelmente também estiveram em São Paulo) e mais alguns músicos russos convidados (destacando-se o guitarrista, que caprichou na tentativa de suingue), agrada pela devoção à estatura da gema musical que resolveram homenagear. Não deixa de ser engraçado e adorável vê-las, em certas cenas mais prosaicas do vídeo, visivelmente empenhadas em render genuíno tributo a algumas das porções mais significativas e tocantes da letra matutada por Chico.

– UPDATE em 04/05: um dos amigos de uns amigos meus que hospedaram as meninas – o Alex, citado no vídeo – me explicou que apesar da participação da Tamara, quem conduziu a coisa toda foi a Tatiana Panaioti (a garota do meio, na cena de abertura), que, por sinal, é grande fã de Chico e já havia registrado uma versão de “Sem Compromisso” (de Nelson Trigueiro e Geraldo Pereira, gravada por Chico no disco Sinal Fechado, de 1974). O Alex também me disse que, segundo elas, aprender a falar português não é tão difícil para os russos, assim como também não seria para nós aprendermos o russo, por causa de similaridades nos chiados e zumbidos das palavras. “Mas é foda”, confessou, mesmo assim. Valeu, Alex!

Vale o PLAY, seja pra ver como as moças aprenderam rápido os fundamentos do português brasileiro (apesar ou exatamente por conta da divertida pronúncia de palavras como “pião”), seja pra perceber como a música brasileira (de ontem, hoje e sempre) tem potencial para encantar, seduzir e influenciar “cidadãos musicais” do mundo todo.

Um beijo carregado de latinidade e brasilidade para Tamara, Tatiana e seus comparsas! Voltem sempre! Nú zdrástvuy, mílaya!

Time capsule – Mungo Jerry – “In the Summertime” (1970)

Mungo Jerry: a banda setentista de blues rock foi colocada no mapa pelo hit "In the Summertime", música que acabaria eclipsando tudo mais que os músicos produzissem depois

Mungo Jerry: a banda setentista de blues rock foi colocada no mapa pelo hit “In the Summertime”, música que acabaria eclipsando tudo mais que os músicos produzissem depois

Fora da Inglaterra, sua terra natal, a banda setentista de blues rock Mungo Jerry (que nome!) é conhecida quase que exclusivamente por seu único hit, “In the Summertime” – um belo exemplo daquilo que costuma-se chamar de “one-hit wonder”. Embora o grupo liderado pelo compositor, guitarrista e vocalista Ray Dorset tenha sido musicalmente sólido e registrado uma produção consistente ao longo de toda a década de 1970, foi mesmo a despretensiosa e divertida canção que celebrava as delícias do verão que colocou a banda nos anais da música – a faixa é conhecida até hoje, mesmo por ouvintes nascidos bem depois da época em que ela foi lançada -, ao mesmo tempo em que eclipsou para a grande audiência tudo mais que os músicos fizessem depois.

 

Mungo Jerry – In the Summertime (1970)

In the summertime when the weather’s high,
You can stretch right up and touch the sky,
When the weather’s fine,
You got women, you got women on your mind.
Have a drink, have a drive,
Go out and see what you can find.
If her daddy’s rich, take her out for a meal.
If her daddy’s poor, just do what you feel.
Speed along the land,
Do a ton, or a ton and twentyfive.
When the sun goes down, you can make it,
Make it good in a lay-by.
We’re not grey people, we’re not dirty, we’re not mean.
We love everybody, but we do as we please.
When the weather’s fine
We go fishing or go swimming in the sea.
We’re always happy,
Live’s for living, yeah, that’s our philosophy.
Sing along with us, dee-dee-dee-dee-dee.
Da-da-da-da-da…
Yeah, we’re happy happy, da-da-da-da-dah.
When the winter’s here, then it’s party time.
Bring a bottle,
Wear your bright clothes. it’ll soon be summertime.
And we’ll sing again,
We’ll go drivin’ or maybe we’ll settle down.
If she’s rich, if she’s nice,
Bring you’re friends and we’ll all go into town.

Time capsule – Al Green – “Let’s Stay Together” (1972)

Al Green: "Let's Stay Together" (1972) foi a primeira canção do cantor a atingir o topo das paradas - ficando ali por nove semanas consecutivas

Al Green: “Let’s Stay Together” (1972) foi a primeira canção do cantor a atingir o topo das paradas – ficando ali por nove semanas consecutivas

Let’s Stay Together“, faixa de abertura do homônimo quarto álbum de estúdio de Al Green (Let’s Stay Together, 1972), foi a primeira canção do cantor a atingir o topo das paradas – ficando ali por nove semanas consecutivas. Apesar de ter aparecido relativamente tarde em sua discografia, até hoje a música é meio que um resumo/lembrete da contribuição desse grande representante do soul dos anos 1970 para a história da música. E um lembrete/resumo dos mais românticos…

Al Green – Let’s Stay Together (1972)

I’m, I’m so in love with you
Whatever you want to do
It’s alright with me
‘Cause you make me feel so brand new
And I want to spend my life with you
Ain’t the same since, baby, since we’ve been together
Ooh, loving you forever
Is what I need
Let me be the one you come running to
I’ll never be untrue

Ooh, baby, let’s, let’s stay together

Loving you wheather, wheather times are good or bad, and I’m happy or sad
Wheather times are good or bad, and I’m happy or sad

Why somebody, why people want break up?

Oh, turn around and make up
I just can’t see
You’d never do that to me (Would you, baby?)
So being around you is all I see
Is what I want us to
Let’s, we ought to stay together
Loving you wheather, wheather times are good or bad, and I’m happy or sad

Let’s, let’s stay together

Loving you wheather, wheather times are good or bad, happy or sad

Originais & Originados – Roberta Flack (1973) x Fugees (1996) – “Killing Me Softly With His Song”

Roberta Flack: seu clássico de 1973 voltou repaginado pelo Fugees duas décadas depois

Roberta Flack: seu clássico de 1973 voltou repaginado pelo Fugees duas décadas depois

Se liga no facelift pelo qual esse clássico do R&B/soul dos anos 1970 passou pouco mais de duas décadas depois de seu lançamento. “Killing Me Softly With His Song“, canção que Roberta Flack levou ao topo das paradas em 1973, voltou modernizada aos rankings do sucesso em forma de rap/neo soul pelas mãos de Lauryn Hill e os Fugees (que ainda contava com Pras e Wyclef Jean em sua formação) em 1996, encarnada em faixa do aclamado álbum The Score.

Apesar das mudanças, dá pra sentir claramente as raízes do som original na releitura dos Fugess, o que nos permite encarar a versão como uma verdadeira declaração de influências do trio. Aperte o PLAY e flutue por mais essa justaposição de clássicos!

ORIGINAL – ROBERTA FLACK – KILLING ME SOFTLY WITH HIS SONG (1973)

ORIGINADA – FUGEES – KILLING ME SOFTLY WITH HIS SONG (1996) 

Time capsule – B. J. Thomas – “Rock and Roll Lullaby” (1972)

B. J. Thomas: Rock  and Roll Lullaby (1972)

B. J. Thomas: Rock and Roll Lullaby (1972)

Bonita. Muito bonita. Certa vez, cantando essa balada country rock em um bar com videokê no bairro do Carrão (São Paulo-SP), notei um senhor às lágrimas, dizendo “Essa é do meu tempo! Essa é do meu tempo!”. Intenso.

 

B. J. Thomas – “Rock and Roll Lullaby” (1972)

She was just sixteen and all alone
When I came to be
So we grew up together
My mama child and me
Now things were bad and she was scared
But whenever I would cry
She’d calm my fears and dry my tears
With a rock and roll lullaby

And she would sing sha na na na na na na na …
It will be all right sha na na na na na….
Sha na na na na na na na …
Now just hold on tight

Sing it to me mama (mama mama ma)
Sing it sweet and clear, oh!
Mama let me hear that old rock and roll lullaby

Now we made it through the lonely days
But Lord the nights were long
And we’d dream of better moments
When mama sang her song
Now I can’t recall the words at all
It don’t make sense to try
‘Cause I just knew lots of love came thru
In that rock and roll lullaby

And she’d sing sha na na na na na na na
It will be all right
Sha na na na na na na na
Now just hold on tigh

I can hear you mama, mama, mama, mama
nothing loose my soul
like the sound of the good old rock and roll lullaby

Time capsule – Lou Reed – “Crazy Feeling” (1975)

“Crazy Feeling” é a faixa de abertura de Coney Island Baby, disco lançado por Lou Reed em 1975

 

Lou Reed – “Crazy Feeling” (Coney Island Baby, 1975)

You’re the kind of person that I’ve been dreaming of
You’re the kind of person that I always wanted to love
And when I first seen you walk right through that bar door
And I seen those suit and tie johns buy you one drink
And then buy you some more I had a –
I know you had that crazy feeling
Now, now, now, you’re got that crazy feeling
You know that I’ve had that crazy feeling, too
I can see it in your ..
You got that crazy feeling
Now, now, now, now, now, you got that crazy feeling
I’ve had that crazy feeling, too
Now everybody knows that business ends at three
And everybody knows that after hours love is free
Oh, such a queen, such a queen
And I know, ‘cause I made the same scene
I know just what you mean
Because you got that crazy feeling
Now, now, now, now, you’re got that crazy feeling
You got that crazy feeling deep inside
Now, I can see it in your eyes
You got that crazy feeling
Now, now, now, now, you’re got that crazy feeling
And you got that crazy feeling, too
I feel just like, feel just like you
Crazy feeling …

Lista – 10 músicas para ouvir durante o sexo

10 músicas para ouvir durante o sexo

Antes de mais nada, deixa eu dizer que essa lista foi praticamente encomendada pelo pessoal do popularíssimo blog Somente Coisas Legais, que estava bastante a fim de divulgar uma seleção desse naipe. Some-se a isso o fato de que rankings de quase qualquer espécie parecem atrair muita atenção na internet e de que sexo é um chamariz universal e temos aí mais um post gloriosamente destinado ao sucesso – e extremamente carregado de hormônios.

Bem, para aqueles que querem se aprimorar na lida, novos truques são sempre bem-vindos. E uma playlist cuidadosamente escolhida pode, comprovadamente, ajudar a esquentar as coisas e criar um clima bacana  para aqueles momentos íntimos, por assim dizer.

Apresento-lhes, então, dez músicas para se ouvir durante o sexo (sempre torcendo, no entanto, para que a brincadeira dure ainda mais que isso). Ao final do post você também encontra a playlist já montada na sequência para o seu maior conforto!

— —

10-) Portishead – “Glory Box” (1994)

A canção que, de certa forma, resume o trip-hop do Portishead é muito provavelmente uma das músicas mais sexy de todos os tempos. Abrindo o “show” com essa você já larga com vantagem.

09-) The Beatles – “I Want You (She’s So Heavy)” (1969)

Já provei antes que os Beatles fizeram, sim, músicas bastante sensuais. E essa é uma das mais poderosas entre elas. Praticamente uma carta de intenções em forma de som.

08-) Lou Reed – “Walk on the Wild Side” (1972)

Quem poderia imaginar que o errático e eterno “poeta junkie” Lou Reed seria uma boa escolha (principalmente enquanto ainda estamos nas preliminares)? Eu não acreditava na eficiência do cara até comprovar.

07-) Chris Isaak – “Wicked Game” (1989)

Ok, essa é clichê até não poder mais, além de te fazer correr o risco de simplesmente ter que parar tudo pra pensar “Afinal, por que diabos ele resolveu mandar essa modulação vocal bizarra no refrão? O que ele estava pensando?“. Mas, vale o risco, afinal, o único sucesso digno de menção da carreira do Chris Isaak é um clássico absoluto da sacanagem.

06-) The Zombies – “Time of the Season” (1968)

Apesar de seu nome mórbido, a banda deve ter embalado vários amassos com este hit da década de 1960. “It’s the time of the season for loving!“.

05-) Divinyls – “I Touch Myself” (1991)

Segunda one hit wonder da lista, as Divinyls botaram o mundo pra cantar versos safados como “I love myself / I want you to love / When I feel down / I want you above me“. Ao ouvi-la, no entanto, cuidado pra não levar muito a sério a mensagem principal da canção e deixar ninguém “na mão”.

04-) Luther Vandross – “Never Too Much” (1981) 

Com base no que já rolou até aqui, essa pedrada soul oitentista é até bastante inocente e romântica. Mas o balanço de Luther Vandross é certeiro pra manter o fogo aceso.

03-) George McCrae – “I Get Lifted” (1974) 

Esse “funkeiro” da Flórida conseguiu criar uma das canções mais sexy dos anos 1970. Preste atenção no rebolado do baixo, se conseguir. “Girl, I can tell ya’, you turn me on“, declama nosso terceiro lugar. Pois é…

02-) Marvin Gaye – “Sexual Healing” (1982)

Tava demorando, né? Mas, enfim, ele apareceu. Medalha de prata para a escancarada celebração das, hummm, “propriedades terapêuticas” do lovemanking criada pelo absoluto e inconfundível Marvin Gaye. Ah, depois não deixe de conferir também a despretensiosa versão do Soul Asylum (aquela de “Runaway Train“).

01-) Marvin Gaye – “Let’s Get it On” (1973)

Olha, eu juro que tentei fazer diferente, mas não tem pra ninguém! É Mr. Gaye na cabeça, de novo! Ouro para a canção que praticamente significa sexo. Mesmo absolutamente banalizada por anos e anos de utilização em todo e qualquer momento que minimamente sugira uma pegação, “Let’s Get it On” é o hino dos amantes, dos cabelos bagunçados, da respiração ofegante, das pernas entrelaçadas, corpos suados, bocas enlouquecidas e suspiros satisfeitos depois do grand finale.


— 

######### PLAYLIST COMPLETA DAS 10 MÚSICAS PARA OUVIR DURANTE O SEXO – É só dar o play e correr pro abraço!

— 

***BONUS TRACK – Marvin Gaye – “Keep Gettin’ it On” (1973)

Meu, o cara gostava tanto da coisa que, no disco que trazia o histórico hit acima (batizado com o mesmo nome da faixa, Let’s Get it On, 1973), ele ainda mandou uma espécie de suíte da canção, sugestivamente sugerindo “Keep getting it on“. Uma boa trilha para aquele momento em que se começa a considerar um segundo round. Vai com fé, meu amigo/minha amiga! 😉 And keep getting it on!

—