É ruim, mas eu gosto – Ace of Base, “The Sign” (1993)

Ace of Base: o quarteto sueco que fazia um som definido como "Euro-Disco" ou "Euro-Dance" com pitadas de reggae conquistou o mundo nos anos 1990

Ace of Base: o quarteto sueco que fazia um som definido como “Euro-Disco” ou “Euro-Dance” com pitadas de reggae conquistou o mundo nos anos 1990

O Ace of Base foi um quarteto sueco que fazia um som definido como “Euro-Disco” ou “Euro-Dance” com pitadas de reggae e que conquistou o mundo nos anos 1990. Um dos principais hits deles, “The Sign” (1993) é ruim, mas eu gosto. E já percebi que dá pra animar festinhas até hoje. Enjoy!

Confira também “All That She Wants“, outro grande sucesso do grupo que também é ruim, mas eu gosto.

Originais & Originados – Joe South x Inner Circle – “Games People Play”

Inner Circle: uma das trupes mais animadas do reggae mundial revitalizou uma grande canção de crítica social do final dos anos 1960

Inner Circle: uma das trupes mais animadas do reggae mundial revitalizou uma grande canção de crítica social do final dos anos 1960

Uma das coisas que mais admiro quando olho para a história da música é a capacidade que as grandes canções parecem ter de se manter vivas ao longo do tempo por meio de covers, versões, citações e desconstruções. Aqui temos um bom exemplo disso, desconhecido por muita gente, inclusive.

Em 1968, o cantor e compositor norte-americano Joe South “estourou”  com a faixa “Games People Play” de seu álbum de estreia Introspect. Foi tanto sucesso que o single foi reeditado em um álbum homônimo em 1969, rendendo a South um Grammy no ano seguinte. Inspirada em um livro de mesmo nome lançado em 1964 pelo psiquiatra  Eric Berne, a canção (bem como o livro) trata dos “jogos” que as pessoas fazem em suas interações sociais e traz uma letra bastante acima da média.

Bem, eis que quase 30 anos depois, em 1994, a crítica social de “Games People Play” foi revisitada por uma das entidades mais festivas do reggae mundial: o Inner Circle em sua segunda encarnação (com o vocalista Calton Coffie), época de hits contagiantes como “Sweat (A La La Long)“. Embora o clima praiano da versão possa aparentemente esvaziar o peso dramático da composição original, a maneira como o Inner Circle de certa forma transformou a angústia de Joe South em uma celebração dos nossos problemas – condicionada extra-textualmente, pelo clima alegre, ao nosso potencial de efetivamente resolvê-los como sociedade [e não seria isso uma marca do reggae?] – é o que mais abrilhanta essa leitura da canção.

Em suma, uma autocrítica que envelheceu muito bem (infelizmente, se pararmos para pensar na atualidade da mensagem) em forma de música ao longo de quase três décadas.

ORIGINAL – JOE SOUTH – GAMES PEOPLE PLAY (1968)

ORIGINADA – INNER CIRCLE – GAMES PEOPLE PLAY (1994)

Originais & Originados – Titãs x The Chairman of the Board x Clarence Carter – “Marvin” / “Patches”

Os Titãs nos anos 1980

Titãs: versão mezzo rock mezzo reggae para gema setentista do soul

Taí uma coisa que mais gente deveria fazer: pesquisar as influências de suas bandas preferidas. Não que eu goste de Titãs (realmente não sou muito fã, não), mas quem gosta talvez se surpreenda ao descobrir que uma das mais famosas músicas do início da carreira da banda é, na verdade, uma versão de um clássico setentista do soul norte-americano. Tudo bem, em algum lugar do encarte do primeiro disco (Titãs, 1984) do então octeto brasileiro dizia-se que “Marvin” era “Patches”, composta por Dunbar e Johnson – e gravada originalmente pela banda The Chairman of The Board e também pelo cantor cego Clarence Carter no ano de 1970.

Mas venhamos e convenhamos: versões em outras línguas para músicas de outros países não populares aqui (ainda mais nos anos 1980, sem acesso a internet) foi uma maneira de várias bandas brasileiras gravarem seus nomes nas paradas e, consequentemente, na história da música. Obviamente o Titãs tem uma discografia muito mais consistente que isso. Apesar de que os caras são recorrentes na arte da “kibagem” musical, mas essa história fica pra outro dia….

Bom, fica aí uma oportunidade pra conhecer as originais e o GÊNIO Clarence Carter. Guarde esse nome. Enjoy!

ORIGINAL – THE CHAIRMAN OF THE BOARD – PATCHES (1970)

 

ORIGINAL – CLARENCE CARTER – PATCHES (1970)

 

ORIGINADA – TITÃS – MARVIN (1984)