Arqueologia sonora – Traveling Wilburys

Traveling Wilburys (da esquerda para a direita: Bob Dylan, Jeff Lynne, Tom Petty, George Harrison e Roy Orbison): "supergrupo" é pouco

Traveling Wilburys (da esquerda para a direita: Bob Dylan, Jeff Lynne, Tom Petty, George Harrison e Roy Orbison): “supergrupo” é pouco

Em 1988 o mundo viu acontecer uma improvável – no mínimo – reunião de estrelas do mais alto escalão da música pop. Na contramão daquilo que costuma acontecer – uma banda acaba se separando e dá lugar às carreiras solos de seus antigos membros -, cinco músicos já plenamente realizados com suas trajetórias individuais resolveram “brincar de banda”. E assim nasceu a Traveling Wilburys, formada por nada menos que George Harrison (quase 20 anos após o fim dos Beatles), Roy Orbison (dispensa apresentações), Bob Dylan (idem), Tom Petty (recém-separado de seus Heartbreakers) e Jeff Lynne (ex-líder da Electric Light Orchestra) – algo como o maior “supergrupo” que já existiu.

De acordo com a história, os cinco – que já se conheciam há tempos – se juntaram no ano em questão para gravar o B-side de um single de Harrison, mas acabaram produzindo um disco inteiro. Time bom e entrosado dá nisso, né? O álbum, The Traveling Wilburys, Vol. 1, saiu ainda em 1988 e fez bastante sucesso com sua musicalidade amigável e que parecia um amálgama da personalidade sonora de cada um dos envolvidos – “Handle With Care” e “End Of The Line” foram os grandes hits (veja os vídeos abaixo). Além de tudo, devia ser bonito demais, na época,  ver tantos figurões ocupando natural e pacientemente seus respectivos espaços – inclusive dividindo os vocais – a serviço de uma canção. Ainda é.

Em 1990 a banda voltou a se reunir sob o peso da ausência de Roy Orbison, que morreu ainda em 1988, pouco depois do primeiro lançamento, e botou na praça um álbum curiosamente intitulado The Traveling Wilburys, Vol. 3 (onde foi parar o Vol.2?). Apesar de, de certa forma, repetir a receita do disco anterior, o segundo registro dos “Wilburys viajantes” soa um pouco menos empolgante e um tanto mais flácido, talvez até mesmo por não se beneficiar do elemento surpresa que contaminara a estreia. A fórmula teria se desgastado rápido demais? De qualquer maneira, o trabalho tem seus bons momentos – incluindo “Inside Out” e “She’s My Baby“, cujos vídeos você encontra abaixo. 

Depois disso cada integrante do grupo seguiu seu caminho e nunca mais, até agora, a Traveling Wilburys produziu algo novo – até porque George Harrison também já não está mais entre nós. Bem, já dava pra imaginar esse desfecho. Se o simples fato de eles se reunirem já foi surreal, o que dizer de um segundo disco? Não dava pra exigir mais. Fiquemos com a memória que já está de ótimo tamanho!    

Time capsule – Roy Orbison – “Running Scared” (1961)

Roy Orbison: Running Scared (1961)

Roy Orbison: “Running Scared” (1961)

Simples, bela, direto ao ponto e grandiosamente romântica! Uma balada do inigualável Roy Orbison em sua melhor forma.

 

Roy Orbison – Running Scared (1961)

Just runnin scared each place we go
So afraid that he might show
Yeah, runnin scared, what would I do
If he came back and wanted you

Just runnin scared, feelin low
Runnin scared, you love him so
Just runnin scared, afraid to lose
If he came back which one would you choose

Then all at once he was standing there
So sure of himself, his head in the air
My heart was breaking, which one would it be
You turned around and walked away with me

Arqueologia sonora – Roy Orbison

Roy Orbison: o "maior cantor de todos os tempos" segundo Elvis Presley

Roy Orbison: o "maior cantor de todos os tempos" segundo Elvis Presley

Uma pena que o cara que o “rei” em pessoa, Elvis Presley, definiu como “o maior cantor de todos os tempos” ainda seja conhecido basicamente pela música “Pretty Woman” (trilha do filme “Uma Linda Mulher“). A carreira de Roy Orbison está repleta de músicas lindas e de uma carga dramática incomparável. Ironicamente, Roy morreu do coração, em 1988. Mas sua obra continua viva e irrepreensível.